Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010

O processo revolucionário acha-se numha encruzilhada no que é urgente optar por avançar na via socialista

Nota: No passado 18 de Janeiro realizou-se um importante evento de solidariedade com a Venezuela organizado pelos camaradas galaegos da AGARB - com apresença do camarada Gonzalo Gomez de Aporrea. O Colectivo Tirem as Mãos da Venezuela esteve presente e enviou uma calorosa saudação aos povos irmãos da Galiza e Venezuela.

 

Assim de clarificador foi Gonzalo Gomez no acto público realizado onte em Vigo organziado pola AGARB. O revolucionário venezuelano de origem galego analisou a actual situaçom do processo bolivariano em curso destacando a necessidade de romper com o estado burguês e avançar na construçom de poder popular pois “corremos o risco de retrocesso e derrota”.

A palestra iniciou-se com a leitura de umha saudaçom e reconhecimento da actividade da AGARB por parte do colectivo solidário português "Tirem as Mãos da Venezuela" destacando a presença na sala de um dos seus membros, o companheiro Luís Rocha.

O impulsionador de Aporrea manifestou a incondicional solidariedade com o povo haitiano e denunciou a actual intervençom militar norteamericana justificada sob “ajuda humanitária” que se acrescenta à activaçom da IV Frota, a instalaçom de sete novas bases na Colômbia, activaçom das bases militares nas colónias holandesas das Caraibas, o golpe de estado nas Honduras, assim como a penetraçom silenciosa do paramilitarismo colombiano na Venezuela responsável de assassinatos de dirigentes camponeses, líderes sindicais, incremento do narcotráfico, subornos de funcionários e militares.

Frente a um incerto cenário onde cada dia cobra mais força o perigo da sabotagem e a guerra mediática promovida pola burguesia Gonzalo Gomez foi contundente à hora de demandar a adopçom de enérgicas medidas pois “na Venezuela ainda vivimos num sistema capitalista e temos um estado burguês”. Embora a “direita nom tem capacidade de mobilizaçom nas ruas sim pode neutralizar e conter votos populares”. Por este motivo a actual encruzilhada é histórica. Embora até agora a maioria das batalhas tenhem sido vitoriosas a derrota do referendo constitucional de Dezembro de 2007 acendeu as alertas. É necessário avançar na unidade e organizaçom popular para poder “destruir o estado burguês, acabar com a burocracia e dar o poder real aos trabalhadores e trabalhadoras”.

Embora o “imperialismo nom o tem fácil” é urgente que as forças revolucionárias pressionem para evitar retocessos e umha derrota eleitoral, mas basicamente há que construir poder popular em todos os ámbitos sociais e económicos para que o povo venezuelano seja o verdadeiro dono dos seus destinos avançando na construçom do socialismo.

 

Fonte: Associação Galega de Amizade com a Revoluçom Bolivariana (AGARB)

publicado por Rojo às 10:31
link do post | comentar | favorito
|

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)