Domingo, 16 de Maio de 2010

Venezuela: A revolução e as nacionalizações

Nota: Obrigado Alexandre pelo teu excelente trabalho de tradução!
Euler Calzadilla; 29 de Abril de 2010
No meio da convulsão revolucionária, trabalhadores lutam pelo controle operário como nova forma de relação produtiva.

Em várias oportunidades, o camarada Chávez tem chamado o sector privado para investir e a unir-se ao governo para levantar a economia. É evidente que isso não causa nenhum efeito aos ouvidos da maioria dele e nem aos outros sectores que têm participação hipócrita e diz ser de “empresários socialistas”. Por outro lado, temos sectores de génios sectários que afirmam que existe uma política do governo para esmagar as lutas dos trabalhadores. Todo este conjunto lança mensagens confusas aos revolucionários em momentos nos quais o fundamental para a revolução é clareza.

Certamente que toda uma camada de funcionários burocratas não está interessada em expropriações ou controle operário, muito menos apoiar os direitos dos trabalhadores ou sindicatos revolucionários, são capazes de trair o processo e aliar-se aos empresários para golpear os trabalhadores.

Há alguns meses, era comum vê-los afirmando que, devido à crise, já não haveria mais expropriações, e ainda hoje fazem um chamado à calma ao sector privado. Mas, frente a esta situação, nem tudo está resolvido.

O governo tomou, até à presente data, 602 fundos, 12 agro-indústrias e 8 empresas, 14 bancos sob intervenção e 1 nacionalizado, inclusive das transnacionais, como da Cargill, que teve a sua processadora de arroz expropriada e passou a ser mista em nome da ALBA. Isto sem falar na nacionalização do Êxito [rede de supermercados] e de outras empresas.

Isto provoca um grito de alarme não somente na burguesia, mas também em sectores que se dedicam a criticar o processo desde a comodidade dos seus terraços. Essa é uma luta de forças vivas, e novamente dizemos: nada está totalmente resolvido.

No princípio começou pela nacionalização de SIDOR, Cantv, as empresas eléctricas e as empresas que ocupavam a Faixa Petrolífera do Orinoco. A estas seguiu-se a nacionalização das fábricas de cimento Holcim, Cemex e Lafarge. Depois várias indústrias relacionadas com a alimentação e com a nacionalização do Banco da Venezuela. Com os bancos sob intervenção, foi criado o Banco Bicentenário, com o qual o Estado passou a manejar 25% dos depósitos.

Durante a inauguração dos mercados Bicentenários, Chávez afirmou: «Isto tem que estar sob o controle operário e com novas relações de trabalho, novas relações de produção para acabar com a exploração». No mesmo acto ordenou a expropriação das terras ocupadas pela Empresa Polar no centro da cidade de Barquisimeto, Estado de Lara. Dias depois, frente a uma tentativa de sabotagem por parte do grupo Polar, advertiu que poderia ordenar a expropriação de toda a Polar, caso necessário.

A manutenção destas empresas sob a chamada propriedade social abre o debate e a luta em outro terreno. O controle das empresas. Como e quem deve gerir as empresas de propriedade social?

É aqui onde nos é colocado o terreno da luta, na formação dos conselhos de trabalhadores e conselhos de fábrica, na extensão de um modelo de controle operário que dirija estas empresas.

A Indústria Nacional de Artigos de Torneiras (INAF) está há 4 anos sob controle operário e funciona sem patrão, é um modelo de como se deve estabelecer o controle operário da produção, e assim viu o camarada Chávez quando ordenou a sua expropriação no final de Outubro passado.

Aos empresários que dizem ser socialistas, perguntam: como funcionam as suas empresas, por pequenas que sejam? Como se manejam os excedentes? Impulsionam o controle operário nas suas empresas? Como funciona o seu conselho de trabalhadores? Assim se poderá ver o quanto socialistas são.

A burocracia não exerce um controle absoluto da situação, os trabalhadores organizados podem e devem mostrar o caminho nas fábricas, nas comunidades, nos planos de desenvolvimento e, mais importante ainda, dentro do PSUV.

Não há nada fora do movimento operário.

Não há nada fora do PSUV.

 

Fonte: Informação Alternativa

publicado por Rojo às 10:19
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Alexandre Leite a 16 de Maio de 2010 às 11:59
A tradução é da responsabilidade da http://www.marxist.com/. Não minha!

Alexandre

Comentar post

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)