Quinta-feira, 3 de Junho de 2010

NATO, guerras e gastos com a Defesa

Terça-feira, 18 Maio, 2010

Na Universidade Lusófona, em Lisboa, efectuou-se no dia 17 de Maio um debate promovido pelo semanário Le Monde Diplomatique, a propósito da próxima cimeira da NATO, que se realiza em Novembro, em Portugal. Intervieram António Almeida Tomé, militar e professor da UL, António Filipe, deputado do PCP, Manuel Carvalho da Silva, secretário-geral da CGTP e o general Pedro Pezarat Correia, na qualidade de membros da mesa, além de alguns elementos da assistência.

O único membro da mesa que explicou de um ponto de vista institucional e defendeu abertamente a NATO foi Almeida Tomé. António Filipe, do PCP, manifestou uma posição oposta à de Almeida Tomé, salientando que os EUA tem utilizado a NATO na defesa dos seus interesses. Pezarat Correia, que criticou as intervenções militares da Nato, referiu, ainda, a revisão do Conceito Estratégico da Aliança, que será debatida na próxima Cimeira de Lisboa. Carvalho da Silva, afirmou que a sua posição coincidia com a da CGTP, isto é, defende a dissolução desta aliança político-militar. O dirigente da CGTP salientou, ainda, a propósito dos problemas de segurança, que a actual e enorme precariedade do trabalho é uma causa fundamental da grande insegurança que se vive nas sociedades actuais.

Vítor Lima, elemento da assistência, denunciou, bem documentado, a utilização da NATO pelos EUA, com o objectivo (há anos programado) de garantir os recursos energéticos de que esta potência imperialista necessita.

Entretanto, num comunicado distribuído aos participantes da reunião, a Plataforma Anti-guerra Anti-Nato (PAGAN) salienta que, em 2010, os programas orçamentais do governo português incluem 2 412 milhões de euros com a defesa, o que representa o valor necessário para a construção de 536 centros de saúde ou a manutenção de 360.

O comunicado acrescenta ainda que, enquanto a despesa pública prevista para o ano em curso (serviços integrados e autónomos) decresce 4,8%, os gastos com a defesa sofrem um aumento de 15,8%.

Diz por fim o texto que o escabroso processo dos submarinos – perfeitamente inúteis do ponto de vista social – tem uma dimensão que constitui uma afronta para todos. Com efeito, cada submarino custa 500 milhões de euros, equivalendo a metade dos abonos de família pagos em 2009; ou ao apoio aos 539 mil beneficiários de Rendimento Social de Inserção; ou ao rendimento anual de 75 188 trabalhadores com o salário mínimo; ou à despesa com 673 mil beneficiários da ADSE; ou a 20% da despesa anual em investimento e desenvolvimento; ou ainda à manutenção de 150 mil alunos do ensino público.

 

Fonte: Jornal Mudar de Vida

publicado por Rojo às 10:38
link do post | comentar | favorito
|

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)