Sexta-feira, 16 de Julho de 2010

Venezuela: magnicídio na ordem do dia

No dia 26 de Setembro a Venezuela terá eleições parlamentares. Há quatro anos, a oposição oligárquica optou por boicotá-las e não participar na tentativa vã de deslegitimar o processo bolivariano. Saiu-lhe mal o tiro e esta vez, ao que parece, vai mesmo contar-se. Contudo, as sondagens não são muito animadoras para a burguesia crioula ao serviço de Washington e o assassínio de Hugo Chávez continua a ser uma opção para travar o processo de transformações progressistas iniciado em 1999. Apesar de há já várias décadas o governo de Kennedy ter proibido o assassinato de líderes estrangeiros – não disse nada sobre os nacionais e talvez por isso lhe sucedeu o que já sabemos – é evidente que esta «política» encaixa bem nos projectos da Casa Branca para uma América Latina que cada dia caminha mais firmemente para deixar de ser o quintal dos EUA.

 

É evidente que a reacção local nega qualquer acusação neste sentido. É tudo «propaganda do regime», e está claro que se tiver sucesso com este plano criminal dirá que a morte de Chávez foi um ajustamento de contas entre bolivarianos. As evidências são claras, mas os meios de (des)informação cumprem bem, a nível mundial, o seu papel de preparar a opinião pública para qualquer desenlace que faça jeito aos interesses do capital.

Há poucos dias foi detido, ao tentar ingressar na Venezuela, o salvadorenho Francisco Chávez Abarca, conhecido terrorista internacional estreitamente ligado ao famigerado anticastrista Posada Carriles, responsável por vários crimes e actos terroristas perpetrados em Cuba e noutros países da América Latina, entre eles a Venezuela, onde foi chefe da polícia política de Carlos Andrés Pérez, essa figura de proa da Internacional Socialista, a mesma que recentemente definiu Hugo Chávez como um «ditador moderno». Qual era a «missão» deste terrorista em Caracas? Ao que se sabe, este responsável por vários actos de terrorismo em Cuba admitiu que vinha provocar atentados antes das eleições de 26 de Setembro. Talvez fosse para algo mais, e aqui voltamos ao magnicídio tão caro à oligarquia venezuelana.


Dos mercenários colombianos aos terroristas de Israel

 

Em 2004, a oligarquia venezuelana lambia as feridas resultantes do fracasso do golpe de Abril de 2002 e da greve patronal de Dezembro 2002/Janeiro 2003, mas não estava inactiva. Sempre telecomandada por Washington, «importou» um grupo de 140 paramilitares colombianos. A inteligência venezuelana detectou-os e foram apanhados na herdade Daktari, não muito longe de Caracas. A sua missão era liquidar Chávez, o qual com muita generosidade e não menos inocência os devolveu pouco depois à Colômbia. Quem sabe quantos já terão reingressado na Venezuela com as mesmas intenções... Faz falta dizer que a oposição venezuelana negou qualquer relação com este grupo?

 

Mas há mais. Nesse mesmo ano, mas a 25 de Outubro, Orlando Urdaneta, actor e locutor de televisão ligado ao golpe de 2002, declarava num programa de televisão em Miami – a escória cubana e venezuelana dão-se bem nesse esgoto – que a solução política na Venezuela passava pelo assassinato de Hugo Chávez. Quando a entrevistadora, Maria Elvira Salazar, ligada à máfia anticastrista da Florida, lhe perguntou por alguns detalhes da «operação», Urdaneta foi claro: «Tudo isto começa com o desaparecimento físico, pelo menos, do ‘cão maior’ e talvez por uma boa parte da matilha». Instado a ser mais específico, Urdaneta falou assim: «Isso sucede com uns homens de armas compridas com miras telescópicas que não falham» e acrescentou que esta ordem terá de partir de empresários com «dinheiro suficiente para trazer um comando israelita, como Deus manda». Perante esta exortação ao magnicídio de um chefe de Estado com o qual Washington mantém relações diplomáticas, que fizeram as autoridades norte-americanas? Absolutamente nada, ainda que tenham sido instadas pelas venezuelanas a actuar como corresponde num caso de intenção criminosa.

 

Texto de Pedro Campos publicado no jornal Avante a 15 de Julho de 2010.

Temas:
publicado por Alexandre Leite às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)