Segunda-feira, 2 de Agosto de 2010

Vitória: Trabalhadores da Flaskô conseguem reverter decisão da falência

Por Movimento das Fábricas Ocupadas

22 de Julho de 2010

 

Depois de alguns dias de angústias, nós, trabalhadores da Flaskô, com o apoio e a solidariedade de classe de todos os movimentos sociais e entidades populares, conquistamos mais uma vitória: conseguimos reverter a decisão do Juiz de Sumaré que decretava a falência da fábrica. Mostramos que não permitiremos qualquer tentativa de fechamento da fábrica. A Flaskô é do povo!

 

A decretação da falência da Flaskô

No dia 01 de julho, o Juiz André Gonçalves Fernandes, da 2ª Vara Cível de Sumaré, decretou a falência da Flaskô. Como explicamos, tal medida trata-se de um dos mais graves ataques proferidos contra os trabalhadores da Flaskô, com a clara medida de fechamento da fábrica. Como resultado, teríamos o desemprego de todos os trabalhadores, o fim das atividades sociais da Fábrica de Cultura e Esportes e ameaçar o próprio futuro da Vila Operária e Popular, além de ser decretar o fim da luta histórica dos trabalhadores da Flaskô.

Como se sabe, em 12 de junho de 2003 os trabalhadores da Flaskô ocuparam a fábrica como única forma de garantir seus postos de trabalho. Desde então, é de conhecimento público a luta do Movimento das Fábricas Ocupadas. Para os capitalistas é inaceitável uma gestão democrática dos trabalhadores, na qual a prevalência é de implementar as conquistas históricas da classe operária, como a redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais (sem redução de salários) e solidariedade com todos os movimentos sociais e sindicais, questionando a propriedade privada dos meios de produção, lutando abertamente pela estatização sob controle operário.

Explicamos que a decisão deste juiz possuía o mesmo “pano de fundo” da decisão judicial que decretou a intervenção na Cipla e Interfibra, em Joinville, em 31 de maio de 2005. Lá, o juiz disse que “não seria um bem social a manutenção das fábricas”, concluindo com a pergunta que explica toda a preocupação dos capitalistas: “imagine se a moda pega?”. Aqui a situação é bem parecida. Fica claro o papel de classe que exerce o Poder Judiciário. Mas, como sempre, mesmo nos marcos jurídicos burgueses, rasgam-se os direitos historicamente conquistados pelos trabalhadores, especialmente os garantidos na Constituição Federal.

Como denunciamos, o ataque é frontal e direto contra a organização da classe trabalhadora, tanto é que no ano passado, ao tratar de uma ocupação do MTST em Sumaré, este mesmo Juiz tinha dito que o MTST, junto com o MST e a FARC, “fazem parte da Via Campesina, uma organização terrorista internacional”. E mais, um Juiz contra os direitos democráticos, crítico do feminismo e contra o aborto (até mesmo em casos de anencefalia), além de defensor da homofobia. Ou seja, sabemos que se trata de um conflito de classe, com trabalhadores e proprietários se enfrentando, e o Juiz, como representante do Estado Burguês, possui claramente um lado.

Explicamos também que o processo de falência que originou esta decisão é uma dívida de matéria-prima com a empresa Fortymil (braço da Braskem), de 2007, portanto, sob a gestão dos trabalhadores. A mesma se formou por conta do corte ilegal de energia promovido pelo interventor da Cipla. Salientamos que os trabalhadores sempre se propuseram a pagar o valor da dívida, que era de R$ 37.000,00 à época. No entanto, a Fortymil sempre se recusou a receber nossas propostas, e entrou com o pedido de falência, ao invés de ser um processo de cobrança. Os trabalhadores da Flaskô sempre pediram para efetuar o pagamento para o Juiz, porém este sempre recusou, não reconhecendo a gestão dos trabalhadores, mas dizendo que somente aceitaria o pagamento da proprietária da Flaskô que consta no contrato social da fábrica, desconsiderando a administração operária existente. A Cristiane de Marcello, proprietário da Flaskô “no papel” não foi localizada (ela é foragida da polícia e nunca pisou na fábrica), e o Juiz toma a decisão de decretar a falência sem possibilitar qualquer defesa dos trabalhadores da Flaskô, nem mesmo reconhecendo as diversas tentativas de pagamento, inclusive juntadas no processo.

Explicamos também que o Juiz desconsiderou que é completamente desproporcional decretar a falência de uma fábrica por uma dívida num valor pequeno (ao se pensar uma fábrica), perto do passivo total da Flaskô deixado pelos patrões, que inclusive ele não faz qualquer referência concreta no processo. Assim, ele conclui, de forma simples e irresponsável, em apenas sete páginas, sem fundamento no próprio direito burguês, que é “necessário que (a Flaskô) cesse suas atividades”, e, por isso, “decreta a falência da empresa Flaskô”.

As primeiras medidas a serem feitas

Como havíamos informado, após a decisão da decretação da Falência, tomamos todas as medidas jurídicas cabíveis, assim como nos preparamos politicamente. Ao divulgarmos a carta pública no dia 06 de julho, pudemos comprovar a força da luta dos trabalhadores da Flaskô. Recebemos milhares de e-mails, centenas de ligações, visitas pessoais na fábrica, mostrando toda a solidariedade de classe existente entre os trabalhadores. Diversas organizações da classe operária, diversos movimentos sociais e entidades populares, organizações de Direitos Humanos de todo o mundo, nos demonstraram porque conseguimos manter estes sete anos de Flaskô, sob controle dos trabalhadores.

Sabemos que somente a unidade da classe trabalhadora poderá enfrentar o poder da burguesia. E, este ataque contra a Flaskô, era apenas mais um caso. Por isso, todos confirmaram suas presenças para o ato público convocado para o dia 16 de julho.

Além das medidas jurídicas e políticas, adotamos a posição de buscar o acordo e pagar a dívida para a Fortymil, como sempre havíamos proposto, demonstrando, uma vez mais a boa-fé da gestão operária da Flaskô. Para eles, agora que já tinha sido decretada a falência, “não teria problema” receber o valor devido.

O Juiz permanecia com sua posição: fechar a fábrica

Com o acordo realizado, peticionamos dizendo que foi feito o acordo entre as partes, que a credora se recusava a assumir o encargo de administradora judicial e que também propunha o fim falência, e, por isso, o Juiz deveria reverter a decisão.

Em conversa pessoal com o próprio Juiz, explicamos todos estes pontos, na posse de todos os documentos comprobatórios, requerendo a reversão da decisão da falência, já que não havia dúvidas quanto à desnecessidade da mesma. No entanto, o Juiz dizia que todos estes fatos eram irrelevantes e que não vislumbrava possibilidade real de resolução da situação da Flaskô. Dizia que “respeitava” o esforço dos trabalhadores, mas que tal processo era a “brecha” para se pensar uma solução. Ora, uma solução que desconsiderava todo o histórico da luta da Flaskô, e seu claro papel social de organização dos trabalhadores e do desenvolvimento das atividades culturais e de luta por moradia, com a Vila Operária e Popular.

O Juiz, pressionado, muda de posição

Enfim, o Juiz mantinha sua posição, mas as contradições aumentavam. A imprensa, não só de Sumaré, mas de todo o Brasil, questionava o próprio Juiz, pois restava claro que a falência era indevida, haja vista que causaria um grande prejuízo social. Muitos entraram em contato diretamente conosco e se indignavam sobre a possibilidade de fechamento da Flaskô.

Dentre as medidas tomadas, buscamos os parlamentares comprometidos com a luta dos movimentos sociais e dos trabalhadores, explicando a situação atual da Flaskô e convocando-os para o ato público. Todos estavam indignados com tal decisão do Juiz, dizendo claramente que “fariam de tudo para não deixar a fábrica fechar, pois os trabalhadores da Flaskô eram um exemplo de luta e que cumpria um papel extremamente relevante para a sociedade”.

O senador Eduardo Suplicy, do PT de São Paulo, não somente conversou conosco, mostrando-se solidário, como indignado, disse que se dirigiria diretamente pessoalmente ao gabinete do Juiz, pois “não aceitaria que a Flaskô fechasse”. Desta forma, no dia 15 de julho, o senador chega no fórum de Sumaré para se reunir com o Juiz.

Durante a reunião, Suplicy explicou que a Flaskô cumpria uma importância tarefa social, com a garantia dos empregos diante do abandono da fábrica pelos patrões, assim como realizava diversos projetos sociais e culturais, além do que, eventual fechamento da Flaskô poderia prejudicar as mais de 300 famílias que moram na Vila Operária e Popular.

Vinte minutos depois, o Juiz sai junto com Suplicy, e afirma à imprensa presente que reverteria a decisão, pois considerava os fatos levantados pelo senador, reconhecendo o caráter social da gestão dos trabalhadores da Flaskô e que, com o acordo realizado, não via mais motivos para tal medida.

O Juiz se sentiu extremamente pressionado para reverter a decisão que havia dado. Viu que não havia motivos para tanto, e apesar da intransigência anterior, foi obrigado a alterar sua decisão. Tal fato que sempre havíamos explicado e estávamos convictos que conseguiríamos. Tínhamos segurança quanto à nossa força política e seu reconhecimento em toda a sociedade. A Justiça, dos trabalhadores, seria feita! E assim foi…

Grande ato público na Flaskô

No dia 16 de julho, sexta-feira, às 13hs, realizamos um grande ato público contra qualquer tentativa de fechamento da Flaskô. Pelo Coordenador do Conselho de Fábrica da Flaskô, Pedro Santinho, foi explicado este ataque contra os trabalhadores, expondo suas contradições. Alexandre Mandl, advogado dos trabalhadores da Flaskô, explicou todas as medidas que foram feitas. A indignação de todos contra a decisão do Juiz era visível. Os trabalhadores da Flaskô se sentiam fortalecidos, entusiasmados com o apoio que haviam recebido. A palavra de ordem era: “Estatização, e na Flaskô, ninguém coloca a mão”. Os trabalhadores da fábrica lembravam de cada um dos ataques sofridos, e sabiam que venceriam mais uma vez. Todas as representações presentes reafirmavam que não aceitariam qualquer tentativa de fechamento da Flaskô.

Estiveram presentes os companheiros do MST, do MTST, do MTD, do PSTU, da LER-QI, Jerry, da ABRAÇO, da Marcela Moreira, do PSOL, do PCB, do João Zinclar, do jornal Brasil de Fato, do Antero, do Sindicato dos Químicos, do Mário Conte, do Comitê de Trabalhadores da Arte de São Paulo e da Renata, Servidora Pública Municipal de Campinas, do Sindicato dos Petroleiros de São Paulo.

Tivemos saudações das mais diversas: da Venezuela, Bolívia, Argentina, Paraguai, Turquia, da Corrente Marxista Internacional, do companheiro deputado federal Fernando Nascimento, do PT de Pernambuco, do Sindicato dos Vidreiros de São Paulo, do vereador Breno Cortella, do PT de Araras/SP, do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo e Mato Grosso do Sul e do vereador Roque Ferreira do PT de Bauru.

A Esquerda Marxista, corrente do PT, representada por José Carlos Miranda, disse que “os patrões tentam fechar a fábrica, mas não eles não sabem a força que os trabalhadores possuem. Explicou que a luta da Flaskô representa toda esta força, e que a Esquerda Marxista, que dirige politicamente o Movimento das Fábricas Ocupadas, desde 2002 em Joinville, estará sempre junto com a Flaskô defendendo a da estatização sob controle operário.

No encerramento do ato público, Pedro Santinho lembrou que: “eles podem matar uma, duas ou três rosas… mas não deterão a primavera”. A resistência da Flaskô sobreviveria mais uma vez… A certeza da vitória era clara…

Juiz reverte a falência da Flaskô

Depois de toda esta pressão realizada, com o apoio massivo de todas as organizações da classe trabalhadora, com todo o apoio popular na cidade de Sumaré, após todas as medidas corretamente adotadas pela gestão operária da Flaskô, o Juiz foi obrigado a reverter a decisão da falência, “declarando encerrada o processo de falência da Flaskô”.

 

Mais uma vitória! Mas os desafios só aumentam…

Como sempre explicamos, somente com estatização da Flaskô garantirá os postos de trabalho, as atividades sociais e culturais de forma duradoura. Depois do criminoso ataque contra as fábricas Cipla e Interfibra, em Joinville/SC, sabíamos que nossas dificuldades aumentariam. Mas, seguimos firmes e convictos da capacidade do Movimento das Fábricas Ocupadas e aumentaremos a pressão para que o governo federal estatize a Flaskô.

Pressionaremos também para que o prefeito Bacchim e os vereadores de Sumaré decretem, imediatamente, a Flaskô como de interesse social.

E mais, como classe trabalhadora, combateremos todos os ataques e criminalizações contra todos os movimentos sociais e contra os operários da Flaskô.

Na atual situação econômica internacional, a acumulação do capital exige o confronto com os trabalhadores, mas, justamente por isso, a unidade e solidariedade de classe precisam dar a resposta aos capitalistas. Mais uma vez, mostrarmos nossa força e capacidade de organização e solidariedade!

Agradecemos todo o apoio recebido, e contem todos com nossa solidariedade.

Estaremos sempre vigilantes e atentos contra qualquer agressão à classe trabalhadora.

Parabéns à todos os trabalhadores da Flaskô!

Seguiremos firmes, e reafirmando:

  • Contra qualquer ameaça de fechamento da Flaskô!
  • Estatização sob controle operário!
  • Pela Decretação de Interesse Social da Flaskô!
  • Contra a criminalização dos Movimentos Sociais!
  • Viva a solidariedade da classe trabalhadora!
  • Viva a luta pelo socialismo!

Sumaré, 19 de julho de 2010
Conselho de Fábrica da Flaskô
mobilizacaoflasko@yahoo.com.br
19-3854-7798/11-9930-6383/19-8129-6637

 

Fonte: Fábricas Ocupadas (Brazil)

In Defense of Marxism

publicado por Rojo às 12:35
link do post | comentar | favorito
|

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)