Quarta-feira, 8 de Abril de 2009

Crise económica ameaça líderes capitalistas europeus

Por Alex Corsini, da sucursal da União Européia, no Monitor Mercantil

 

Despencam um após outro, os governos dos países-membros da União Européia (UE). O motivo, que não outro senão a crise econômica. Os primeiros na fila foram aqueles dos países do centro e do leste. Afinal, ficou comprovado que suas economias pós "socialismo real" são bolhas que estouram. 

 

No início do mês passado despencou o governo da Hungria. Em seguida, após votação de moção de censura pelo Parlamento, caiu o primeiro-ministro da República Tcheca, Mirek Topolanek. Antes, em fevereiro, havia desabado o governo da Letônia, assim como o da Islândia, que não é país-membro da UE. Agora crescem o descontentamento e a tormenta social na Bulgária, onde os agricultores lideram as reclamações.

 

Mas o governo de Sófia não pode ser derrubado porque dispõe de uma confortável maioria parlamentar e porque agora, no verão europeu, serão realizadas eleições parlamentares regulares. Digno de curiosidade é o que acontecerá na Romênia, cujo governo recorreu ao Fundo Monetário Internacional (FMI), com quem conseguiu um empréstimo de migalhas, insuficiente para realizar qualquer plano de socorro à sua economia.

O governo da Romênia venceu as eleições recentemente. Mas conseguirá resistir às pressões da população? E a coalizão de partidos que sustenta o governo concordará em ser alvo do descontentamento popular que as exigências do FMI para conceder o empréstimo (redução de salários e de aposentadorias e pensões) provocará?

 

Também é preciso ver o quanto resistirão os governos da Irlanda, Lituânia e Estônia, países nos quais a redução do PIB, neste e no próximo ano, será extremamente violenta e naturalmente acompanhada por um seríssimo agravamento do nível de vida. Porém, é imprescindível que estes "talibãs" do neoliberalismo que governam os países da Europa sejam afastados, porque são incorrigíveis e não se arrependem.

 

Somente na França, com sua tradição de explosões sociais, a liderança política percebeu a dimensão da ameaça. "Aqueles que não mostram responsabilidade submetem todo o nosso sistema social e econômico ao risco", declarou, sem meias palavras, o primeiro-ministro François Fillon. "O mundo mudou e seria melhor que alguns executivos de nossas empresas percebessem isto, pois de outra forma serão arrasados pela sociedade dos cidadãos", declarou Renè Ricol, colaborador estreito do presidente Sarkozy. "Será derramado sangue?", se questiona, em pânico, a revista britânica The Economist, referindo-se ao ódio que existe nos EUA contra os banqueiros.

 

Cometem um grave equívoco os líderes europeus que, do alto de sua soberba, avaliam as reações dos povos da Europa — até agora pequenas — e julgam que poderão jogar todo o peso da crise impunemente sobre as costas dos trabalhadores, pequenos empresários e aposentados. A revelação de cinismo e bulimia dos executivos chocaram a opinião pública, que está profundamente irritada e raivosa com o parasitismo da elite econômica e obviamente não está mais disposta a se mostrar tolerante.

 

Fonte: Vermelho

publicado por Rojo às 11:14
link do post | comentar | favorito
|

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)