Terça-feira, 2 de Junho de 2009

O Trabalho Precário na América Latina e em Portugal

Nota: Segue-se um excerto elucidativo, retirado de um artigo do sociólogo brasileiro Emir Sader, que descreve a realidade do trabalho precário no Brasil, que é idêntica em toda a América Latina - incluindo a Venezuela apesar dos avanços alcançados no seu combate. O trabalho precário nestes países caracteriza-se por ser clandestino e associado à economia paralela, ou seja, pela inexistência de qualquer vinculo formal (por isso se chama com frequência de "trabalho informal"). A sua quantidade em quase todos estes países supera os 50% da força de trabalho nacional (excepto em países que o combatem como a Venezuela). E em Portugal vamos pelo mesmo caminho em contraste com as políticas pro-trabalhadores da Revolução Bolivariana.

 

(...)Ao mesmo tempo, o que se propagou como “flexibilização” do mercado de trabalho, na realidade se deu como “precarização”, isto é, como expropriação dos direitos dos trabalhadores, fazendo com que a maioria deles não tenha mais contrato com carteira de trabalho. Não tem segurança de continuidade do emprego, não podem associar-se, não podem apelar à justiça, não tem uma identidade profissional e social. Não são cidadãos, no sentido de que um cidadão é sujeito de direitos e eles não têm direitos na atividade fundamental de suas vidas.

Lutar contra o neoliberalismo e passar a construir um modelo alternativo, posneoliberal, tem centralmente a ver com esses dois fenômenos, estruturais no neoliberalismo: a hegemonia do capital financeiro e a fragmentação e submissão dos trabalhadores à superexploração e à impotência organizativa. É trabalhar contra o capital especulativo e a favor da grande maioria da população – que vive do trabalho – e, através dele, cria as riquezas do país.(...)

 

Ler o artigo todo (Diário Vermelho)

 

Entretanto em Portugal temos:

- 5 milhões de trabalhadores

- destes 2 milhões são precários

- destes 1 milhão estão a falsos recibos verdes

- 500 mil desempregados

- 117 mil precários na Administração Pública

 

E como se isso não bastasse:

 

O Salário Mínimo Nacional vale hoje menos do que quando foi criado em Maio de 1974. Se o valor do salário tivesse, como deveria, acompanhado os valores da inflação hoje seria de 584 euros ao contrário dos actuais 450 euros. Isto é, o valor do salário mínimo deveria ser 30 por cento superior ao actual.

 

 Fonte: A Tacada do Dia (Blog), com informações do MayDay

publicado por Rojo às 01:00
link do post | comentar | favorito
|

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)