Domingo, 12 de Julho de 2009

Deputados argentinos apoiam estatizações de Chávez

7 de Junho de 2009

Dois deputados federais argentinos de centro-esquerda apoiaram a decisão do governo venezuelano de estatizar três siderúrgicas pertencentes ao grupo Techint, tomando distância de seus colegas no Parlamento, que criticaram duramente o presidente Hugo Chávez.

Horacio Alcuaz, da Coalizão Cívica, expressou sua negativa às iniciativas parlamentares que pretendem bloquear o ingresso da Venezuela ao Mercosul, advertindo que "pretender que os interesses do grupo Techint representem o interesse nacional argentino é muito ingênuo".

O "Techint é um conglomerado de empresas transnacionais, composto por capital estrangeiro e com sede no paraíso fiscal de Luxemburgo", afirmou.

Também o deputado Claudio Lozano afirmou que "doa a quem doer, o grupo empresarial Techint não é argentino", pois "seus donos são a família italiana Rocca, sua sede legal é o paraíso fiscal de Luxemburgo e a assembleia de acionistas ocorre na Itália".

Alcuaz disse ainda que "é de chamar a atenção que esta 'ofensiva nacionalista' seja liderada por alguns setores do empresariado argentino, que devastaram os recursos do país sem investir dinheiro aqui".

"É lamentável que, em um momento em que a Organização dos Estados Americanos (OEA), após décadas, abre as portas à República de Cuba, alguns parlamentares argentinos dêem às costas ao povo venezuelano, sem manifestar o mínimo respeito ao direito de um povo irmão de determinar livremente sua condição política e procurar seu desenvolvimento econômico, social e cultural", disse Alcuaz.

Lozano também questionou a falta de investimentos no país, afirmando que "o compromisso empresarial com o conjunto é definido na decisão de transformar em investimentos os lucros extraordinários obtidos nos últimos anos".

No último mês, o mandatário venezuelano anunciou a estatização das empresas Tubos e Aços da Venezuela (TAVSA), Materiais Siderúrgicos (Matesi) e Complexo Siderúrgico de Guayana (Consigua) — todas pertencem ao grupo Techint.

Logo após o anúncio, a União Industrial Argentina (UIA), que reúne os industriais do país, exigiu que fosse "revista" a entrada da Venezuela como membro pleno do Mercosul. A entidade insinua que o governo venezuelano "coloca em risco" a integração regional.

A entrada da Venezuela como membro pleno do Mercosul foi aprovada por Argentina e Uruguai, e depende agora da aprovação dos Congressos de Brasil e Paraguai.

Com informações da Ansa Latina


Fonte: Diário Vermelho

publicado por Rojo às 19:57
link do post | comentar | favorito
|

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)