Sexta-feira, 9 de Outubro de 2009

Documentário critica império de Berlusconi na mídia

Nota: Um documentário sobre o capitalismo mafioso italiano de Berlusconi.

 

8 de Setembro de 2009

 

O domínio exercido pelo primeiro-ministro Silvio Berlusconi sobre a televisão na Itália está no cerne de "Videocracy," documentário que analisa como seu império de mídia vem moldando a informação e a cultura no país há 30 anos.

Exibido esta semana no festival de cinema de Veneza, "Videocracy" entremeia imagens de showgirls pouco vestidas - elemento constante na televisão italiana - com imagens de aparições públicas do primeiro-ministro e entrevistas com celebridades de televisão reais ou aspirantes.

Para o diretor Erik Gandini, que nasceu e foi criado na Itália mas hoje vive na Suécia, a mensagem é clara: a Itália hoje é uma "TV-república," personificada por Berlusconi, um país em que entretenimento e política se misturam.

Um exemplo disso, diz ele, é o fato de que uma ex-showgirl hoje é a ministra das Oportunidades Iguais no governo de Berlusconi. "Videocracy" chama a atenção para a onipresença da televisão na vida italiana, o que faz dela aos olhos de muitas pessoas - especialmente dos jovens - uma plataforma de lançamento para a fama e o dinheiro instantâneos.

"A impressão que se tem é de uma geração muito obcecada com grifes, com sua própria aparência, e não tão interessada na política ou no mundo," disse Gandini à Reuters em entrevista.

"Temos um país que está culturalmente envolvido numa bolha de valores, algo ao qual dei o nome de videocracia, em que a imagem é tudo," disse ele. A televisão é a fonte primária de informações para 80% dos italianos, e, diz Gandini, o poder da televisão é imensamente reforçado pelo controle que Berlusconi exerce sobre ela.

"As pessoas não lêem muitos jornais. A televisão é a mídia que exerce o maior impacto. É por isso que Berlusconi é tão forte," disse ele. "O que passa na televisão existe, e o que não passa, não existe."

Aos 72 anos de idade, o magnata da mídia e três vezes primeiro-ministro ganhou uma fortuna com a televisão comercial, que lançou na Itália no final dos anos 1970. Hoje seu império Mediaset é proprietário das três maiores redes de TV privadas do país. A Mediaset e os três canais da televisão estatal RAI - sobre a qual Berlusconi, como primeiro-ministro, exerce influência considerável - compõem 90 % da televisão aberta no país.

Berlusconi nega a existência de qualquer conflito de interesses e diz que não tem voz na programação da Mediaset ou da RAI. As duas emissoras se negaram a transmitir anúncios divulgando "Videocracy," que foi fortemente aplaudido no festival de Veneza e chegará aos cinemas italianos na sexta (11).

 

Fonte: Rede Brasil Atual/Diario vermelho

Temas:
publicado por Rojo às 23:14
link do post | comentar | favorito
|

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)