Segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Estudantes do superior pagam mais em Portugal

Nota: Nesta comparação de Portugal com a Europa falta referir que em Portugal as desigualdades sociais são as maiores da Europa de maneira que hoje em dia os custos do ensino superior - o público inclusive - são absolutamente inacessíevis para as famílias de trabalhadores assalariados e pobres.

 

11 de Outubro de 2009

 

Os custos da Educação em Portugal para um estudante do ensino superior são dos mais elevados da Europa, representando 11 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) per capita português, indica um estudo a divulgar segunda-feira sobre o financiamento do superior. Mas "quando quantificamos a ajuda do apoio social por aluno, Portugal está muito aquém" do valor europeu, diz a autora do estudo.

 

Luísa Cerdeira, professora e administradora da Universidade de Lisboa, estudou o financiamento do ensino superior, compilando as várias áreas abordadas num livro que será lançado durante uma conferência internacional a realizar segunda e terça-feira, em, em Lisboa, sobre esta matéria.

"Parte do trabalho (realizado em 2005) resultou de um inquérito a uma amostra representativa dos estudantes portugueses sobre a sua entrada no ensino superior" e os custos que acarretou, "não só custos de ensino, mas também custos de vida", explicou à Agência Lusa.

"Além desse estudo, comparei os custos dos estudantes portugueses no contexto internacional" no que se refere à capacidade de suportar as despesas face a outros países, com base no PIB per capita, por ser um indicador universal, disse.

"Verifiquei que os custos com a Educação em Portugal (no ensino superior) são dos mais elevados da Europa: representam 11 por cento do PIB per capita português", revelou.

Por outro lado, os custos de vida, que incluem os gastos com com alimentação e alojamento, são "próximos" dos restantes países desenvolvidos, representando em Portugal 18 por cento do PIB per capita.

"Quando quantificamos a ajuda do apoio social por aluno, Portugal está muito aquém" do valor europeu, referiu, congratulando-se com as últimas medidas anunciadas pelo Governo nos critérios para atribuição de bolsas.

O livro traça um retrato dos vários países e dos sistemas que adoptaram relativamente à partilha de custos no ensino superior, às propinas e aos empréstimos, passando pela acção social.

Um dos capítulos analisa o que aconteceu em Portugal nos últimos anos, contextualizando as questões de financiamento e apoio social.

Estas e outras questões relacionadas com o financiamento do ensino superior vão estar em debate numa conferência internacional a realizar segunda e terça-feira no salão nobre da reitoria da Universidade de Lisboa.

 

Fonte: Esquerda.net

publicado por Rojo às 22:26
link do post | comentar | favorito
|

Informação Alternativa



Subscrever feeds

Sigam-nos no Facebook

Objectivos do Blogue

1) Apoiar a Revolução Venezuelana
2) Promover o carácter socialista da revolução
3) Combater a desinformação dos meios de comunicação capitalistas

Comentários recentes

A campanha Tirem As Mãos Da Venezuela voltou a est...
nice very thanks ver isto é bastant mt bom.. esse ...
A propósito da Venezuela, tivemos de fazer um tack...
É uma vergonha...Em Évora existe um call-center qu...
Este novo look é um espetáculo!
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
É assim dessa forma enérgica e sem papas na língua...

Pesquisar neste blog

 

Temas

todas as tags

Ligações

participar

participe neste blog

Venezuela:

Área Total - 916.445 km²
(quase 10 vezes a área de Portugal)

População - cerca de 28 milhões
(quase 3 vezes Portugal)

PIB per capita -11.388 dólares (2008)
(em Portugal é de 22000 dólares)

Inflação: 25,1% (acumulada 2009)

Taxa de Desemprego:
6,6% (acumulado 2009)
7,5% (Nov2009)
8,1% (Out2009)
8,4% (Set2009)
8% (Ago2009)
8,5% (Jul2009)


Salário Mínimo:
1200 bolívares (206 / 461 euros) - (Jan2010)
967,50 Bolívares (313 Euros) - (Dez2009)


Índice de Pobreza: 24% (55% em 2003)
Índice de Pobreza Extrema: 7% (25% em 2003)


Mortalidade Infantil: 13,7 por cada 1.000 nascimentos (em 1998 era 26)

Esperança média de vida - 74 anos (72 em 1998)